Plano de Negócios

Erica Ribeiro

O universo das micro e pequenas empresas e as novidades sobre as franquias

08/06/2015 | 12:14 - Atualizado em: 08/06/2015 | 12:14

Vai Voando entra na rota do franchising

Empresa do Grupo GapNet, consolidadora de passagens aéreas, se prepara para expansão da marca com abertura de microfranquias

Erica Ribeiro eribeiro@brasileconomico.com.br

Perto de completar seis anos de atividades com a venda de passagens aéreas pelo sistema pré-pago e com foco nas classes C e D, a Vai Voando, empresa do Grupo GapNet, consolidadora de passagens aéreas, se prepara para alçar novos voos. Luiz Andreaza, gerente de marketing e comercial da Vai Voando, explica que, depois de conseguir se consolidar no mercado com mais de 200 mil bilhetes aéreos vendidos, a meta agora é pensar na expansão da marca não só com a abertura de unidades em comunidades mas também por meio de franquias e com a oferta de pacotes completos, para chegar mais perto também da classe B.

"Conseguimos quebrar a barreira de que aviagem de avião não era para as classe C e D", diz o gerente de marketing e comercial da Vai Voando, Luiz Andreaza
Foto:  Murillo Constantino

“A Vai Voando nasceu com o objetivo de atender um nicho de consumidores que não estava sendo contemplado pelas agências de viagens e que as companhias aéreas não conseguiam alcançar. O diferencial sempre foi a venda parcelada em 12 vezes, sem comprovação de renda ou análise de crédito. Conseguimos quebrar a barreira de que a viagem de avião não era para as classe C e D. Um perfil de cliente que está no nicho de ‘viajante por necessidade’, que vai visitar a família até duas vezes por ano. Um turista que a crise não afeta porque esse custo está programado e diluído em 12 parcelas”, explica o executivo. “Percebemos que o consumidor da classe B também tem demonstrado interesse por nosso produto e também nosso cliente da classe C busca opções de viagens fora do compromisso familiar. A formatação de um pacote de viagens com aéreo e hotel está no nosso plano de negócios, também com venda pré-paga. Isso deverá acontecer a partir de 2016”, diz ele.

Com 256 pontos de venda no Brasil — sendo 60% delas no eixo Rio-São Paulo — o projeto de expansão prevê a abertura de unidades no formato de microfranquias, pensando também em cidades menores. Hoje, a Vai Voando está dentro de lojas em bairros da periferia e comunidades ou em unidades próprias. O faturamento da Vai Voando para 2015 é estimado em R$ 50 milhões, 30% acima do registrado no ano passado. Na crise, Andreaza acredita que, além de vender mais bilhetes, terá facilidade para conquistar novos empreendedores. Para ele, muita gente que sai do emprego formal poderá considerar o investimento na Vai Voando um bom negócio. “É um modelo muito parecido com o de venda direta, com a vantagem da compra programada. Viajar é um sonho constante e acreditamos que vamos ter ganhos nas duas pontas”, completa ele.

SOLUÇÕES & OPORTUNIDADES

■ Depois de testar produtos e a receptividade da marca com os food trucks, a La Polenta inaugura em agosto um restaurante fixo na Chácara Santo Antônio, zona Sul de São Paulo. Alex Abbud Righi, sócio do La Polenta, faz o caminho inverso de muitas redes e espera ter o mesmo sucesso de seus dois food trucks, que já venderam mais de 10 toneladas de polentas cremosas e fritas.

■ O Sebrae/RJ (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro), em parceria com o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), selecionará candidatos para atuar no Programa Agentes Locais de Inovação (ALI) no Leste Fluminense (Niterói, Rio Bonito, Itaboraí, Tanguá, Maricá, São Gonçalo) e, em breve, fará outra seleção para quem reside na cidade do Rio de Janeiro. A seleção irá até 15 de junho.

Jacques Janine abre franquia-conceito

Jacques e Janine Goossens, donos da rede de salões Jacques Janine, com 60 lojas em todo Brasil, estão investindo em um novo formato de franquias-conceito. São lojas em torno de 500 metros quadrados, design de alto padrão e serviços como lavatórios com cromoterapia. A primeira franquia-conceito, com projeto do arquiteto André Piva, foi aberta no Fashion Mall, no Rio, com investimentos de R$ 3 milhões. Outras duas abrem este ano.

Marca de bijuteria no embalo do rock

Foi por causa do Rock in Rio que a grife de bijuterias, joias e acessórios Carioquez abriu em março sua primeira loja física, em Ipanema, no Rio. A designer e proprietária da grife, Lidia Cruz, fechou parceria para ser a marca de acessórios oficial do festival e criou uma linha específica para o evento, com preços acessíveis. O e-commerce continua firme e Lidia estuda a abertura de novas filiais.

Grings Alimentos chega a Casas Pedro

A Grings Alimentos Saudáveis, indústria de médio porte do interior de São Paulo, fechou parceria com a rede de lojas Casas Pedro, no Rio, para a distribuição de sua linha de granolas e matchás detox nas 12 filiais da marca. A empresa aposta no mercado fluminense para aumentar o faturamento mensal no estado dos atuais R$ 100 mil para R$ 300 mil. Com isso, espera saltar de R$ 12 milhões para R$ 20 milhões seu faturamento total.


Notícias Recomendadas