Negócios

27/03/14 | 09:02 - Atualizado em: 27/03/14 | 09:02

BC prevê inflação de 6,1% e alta do PIB de 2% em 2014

Para 2015, a expectativa para a inflação também piorou, de 5,4% para 5,5%.

Brasil Econômico redacao@brasileconomico.com.br
Indústria deve crescer 1,5% e serviços, 2,2% em relação a 2013. Foto: AgBr

BRASÍLIA - A economia brasileira deve crescer 2%, este ano, reduzindo o ritmo em relação a 2013, quando registrou crescimento de 2,3%. A projeção é do Banco Central (BC), no Relatório de Inflação, divulgado nesta quinta-feira.

De acordo com o relatório, sem considerar variações do dólar e da taxa básica de juros, a previsão para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 5,6% para 6,1% este ano, acima do centro da meta do governo de 4,5%. Para 2015, a expectativa para a inflação também é pior, de 5,4% para 5,5%.

Segundo projeções do BC, o crescimento para a produção da indústria em 2014 é de 1,5%, ante 1,3% registrado em 2013. O crescimento do setor de serviços em 2014 foi projetado em 2,2% (contra 2% medidos em 2013). A produção agropecuária também deve crescer menos este ano: 3,5%, ante 7% observados em 2013.

O consumo das famílias deve crescer 2% (2,3% registrados em 2013). Segundo o relatório esse crescimento será "amparado no cenário de manutenção das baixas taxas de desemprego e de ganhos reais de salários moderados". O consumo do governo deverá aumentar 2,1% e a Formação Bruta de Capital Fixo (investimentos), 1%, ante 1,9% e 6,3%, respectivamente, registrados em 2013).

As exportações e importações de bens e serviços devem crescer 1,3% e 0,9%, respectivamente, em 2104, ante elevações de 2,5% e 8,4%, respectivamente, em 2013. "As exportações devem se beneficiar do cenário de maior crescimento global e da depreciação do real, a qual também deve contribuir para o arrefecimento das importações" diz o BC.

Inflação

A inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve ficar em 6,1%, este ano, 0,5 ponto percentual acima da projeção do Banco Central (BC) divulgada em dezembro. 

Essas projeções são do cenário de referência, em que o BC levou em considerações informações disponíveis até o dia 14 de março deste ano para fazer as estimativas. Nesse cenário foram considerados o dólar a R$2,35 e a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 10,75% ao ano.

O BC também divulga os dados do cenário de mercado, que faz estimativas para a taxa de câmbio e a Selic. No cenário de mercado, a previsão para a inflação neste ano é 6,2%, 0,6 ponto percentual acima da estimativa de dezembro. Em 2015, a projeção é 5,5% e em 12 meses a acumulados no final do primeiro trimestre de 2016, em 5,2%.

No cenário de referência, a probabilidade estimada de a inflação ultrapassar o limite superior do intervalo de tolerância da meta em 2014 ficou em torno de 38% e, em 2015, de 27%. No cenário de mercado, essa probabilidade ficou em cerca de 40%, este ano, e em 29%, em 2015.