[an error occurred while processing this directive]

Negócios

27/04/12 | 18:18 - Atualizado em: 27/04/12 | 18:18

Depois de compra do BC, dólar sobe 0,5%

Esta foi a 11ª alta em 14 dias, levando o dólar à maior cotação desde 24 de novembro de 2011.

Giulia Camillo redacao@brasileconomico.com.br
Dólar subiu no Brasil, mas caiu diante de importantes moedas, como iene e euro

O dólar comercial reagiu a mais uma intervenção do Banco Central no mercado à vista e fechou em leve alta de 0,5% frente ao real, cotado a R$ 1,8850 na compra e R$ 1,8870 na venda.

Esta foi a 11ª alta em 14 dias, levando o dólar à maior cotação desde 24 de novembro de 2011, quando a moeda fechou a R$ 1,892.

A moeda operou grande parte da sessão em leve baixa, mas inverteu o movimento depois que o BC entrou comprando dólar a R$ 1,885, entre 15h16 e 15h21.

"O mercado ficou tranquilo o dia inteiro, até o BC entrar comprando acima de R$ 1,88. Isso mostra que ele ainda não está contente com esse nível, o que dá um pouco de medo ao mercado", explicou Reginaldo Galhardo, da Treviso Corretora.

Segundo ele, o Banco Central mostrou que vai "manter o mercado em rédeas curtas por bastante tempo", o que significa que o dólar deve continuar nos níveis atuais - ou mais alto - nos próximos dias.

Movimento contrário

A performance do câmbio no Brasil foi contrária à vista no mercado externo. A moeda americana caiu frente às principais divisas internacionais, especialmente o euro e o iene.

Na Europa, o mercado ignorou o corte de rating da Espanha pela Standard & Poor's em dois degraus, para "BBB+", e o dólar fechou em queda de 0,23% frente ao euro.

Já no Japão, o banco central elevou o programa de compra de ativos em 5 trilhões de ienes, uma medida menos agressiva do que o esperado. Assim, a moeda americana caiu 0,40% frente à japonesa.

O dia também foi marcado pela divulgação do Produto Interno Bruto dos Estados Unidos, que avançou 2,2% no primeiro trimestre, abaixo dos 2,5% esperados.

De acordo com Galhardo, a tendência do dólar diante das moedas dos países desenvolvidos e dos emergentes é de queda. "O dólar só está em alta no Brasil por causa da atuação do governo. Não tem fundamentos, retirada de dólar, que explique isso", afirmou.

[an error occurred while processing this directive]