Negócios

20/01/12 | 18:47 - Atualizado em: 20/01/12 | 18:47

Empresas aproveitam Luíza para promover marcas

Do Magazine Luiza à construtora concorrente do comercial que colocou Luiza, aquela do Canadá, no holofote das mídias sociais, diversas empresas pegaram carona na fama da garota.

Brasil Econômico redacao@brasileconomico.com.br
Luiza, a do Magazine, vai dar R$ 300 para quem fizer frase mais criativa sobre o que a Luíza, a do Canadá, não viu

A hashtag #LuizaEstanoCanadá entrou para a lista dos tópicos mais comentados no Twitter essa semana e rapidamente se tornou um fenômeno na internet. Entre os dias 12 e 15 de janeiro, o número de menções não ultrapassava 1.600 por dia. 

Os dados são da Miti Inteligência, que realizou um mapeamento sobre como as empresas aproveitaram a repercussão do case Luiza para promover suas marcas.

Mas, a partir do dia 16, os números subiram exponencialmente, atingindo mais de 210 mil no dia 18 (quarta-feira).

A repercussão é vista também nas outras redes sociais. No Youtube, o vídeo mais exibido ultrapassava a marca de 2 milhões de visualizações no dia 18, mais de 3 milhões no dia 19 e mais de 4 milhões no dia 20. No Facebook, já foram criadas várias páginas sobre o tema, somando quase 60 mil curtir no total.

Os veículos de imprensa tradicional perceberam o fenômeno e veicularam diversas notícias a respeito. Foram mais de 1.500 matérias veiculadas do dia 13 ao dia 20 apenas nos veículos de notícias on-line.

"Atentas às redes sociais e avaliando a possibilidade de alcance do assunto, grandes marcas nacionais aproveitaram o momento para gerar engajamento dos usuários", comenta Elizangela Grigoletti, gerente de inteligência e marketing da Miti Inteligência.

"Envolver um assunto que está tão em alta, como o meme da Luíza, mostra aos usuários que a empresa inova também ao participar dos assuntos que estão em evidência nesses canais sociais, e isso só faz contribuir para o seu relacionamento com o consumidor."

A construtora concorrente da Água Azul, Brascon, aproveitou justamente esse gancho e veiculou um banner fazendo uso do meme. Com o título "Luíza, pode voltar. Tem empreendimento de primeiro mundo no Miramar", a empresa demonstrou ousadia na estratégia de marketing e ainda utilizou a hashtag que estava entre os assuntos mais comentados do Twitter.

Um exemplo de inovação na exploração da campanha é o da escola de idiomas Yázigi, que tem 1.600 seguidores no Twitter e 1.015 fãs no Facebook. Embora não tenha uma grande repercussão das suas publicações no dia a dia, através da Luíza conseguiu potencializar esses resultados.

A criação de um aplicativo na sua Fanpage disponibilizando um jogo em que o usuário deve ajudar a Luíza a combater os monstros de uma montanha para conseguir chegar ao Brasil, já teve mais de 768 mil acessos.

O Magazine Luiza é um dos grandes exemplos de marcas que utilizam as redes sociais como peça chave no planejamento de marketing. A coincidência do case com a marca foi utilizada para promover um concurso #ALuizaNãoViu, que sorteará um prêmio de até R$ 300 para a frase mais criativa sobre o que Luiza não viu no Canadá.

No dia 17, quando o case foi citado pela primeira vez, a repercussão das menções foi potencializada em quase 250%.

Entre elogios e críticas, o mapeamento comprova que assim como o fenômeno social Luíza, aproveitar as oportunidades de engajamento que as redes sociais podem proporcionar às marcas é fundamental para fortalecer sua presença nas redes e viabilizar um estreitamento nas suas relações com o consumidor.


Errata: O dado referente a 1.105 fãs corresponde ao Facebook, e não ao Twitter como informado anteriormente.