Negócios

28/06/13 | 10:50 - Atualizado em: 28/06/13 | 10:50

Inadimplência das empresas recua 2,2% em maio

Para os economistas da Serasa Experian, a inadimplência das empresas vem recuando mensalmente desde abril, depois de um forte crescimento (8%) em março ante fevereiro.

Brasil Econômico redacao@brasileconomico.com.br
Os cheques sem fundos tiveram, nos quatro primeiros meses de 2013, um valor médio de R$ 2.601,23, representando um aumento de 18,7%

A inadimplência das pessoas jurídicas caiu 2,2% em maio na comparação com abril, segundo a Serasa Experian.

Na comparação anual, entre maio de 2013 e igual mês do ano anterior, a inadimplência nos negócios caiu 3,4%. Na relação entre o período de janeiro a maio de 2013 e igual período de 2012, houve aumento de 0,9%.

Para os economistas da Serasa Experian, a inadimplência das empresas vem recuando mensalmente desde abril, depois de um forte crescimento (8%) em março ante fevereiro.

Diante de quadro de elevação dos juros, desvalorização cambial, que afeta as empresas endividadas em dólares, inflação pressionando custos e crédito mais seletivo, as empresas diminuíram sua demanda por crédito para evitar novas dívidas. Além disso, a inadimplência dos negócios recua por conta do conservadorismo adotado na gestão financeira de boa parte das empresas.

No período de janeiro a maio de 2013, as dívidas não bancárias (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica e água) tiveram um valor médio de R$ 802,36, o que representou uma alta de 3,4%, ante igual período de 2012.

As dívidas com bancos, por sua vez, tiveram nos cinco primeiros meses de 2013 um valor médio de R$ 5.212,82, resultando em -1,1% de recuo na relação com o acumulado de janeiro a maio do ano anterior.

Quanto aos títulos protestados, o valor médio verificado nos primeiros cinco meses do ano foi de R$ 1.999,46, com elevação de 4,4% sobre igual acumulado de 2012.

Por fim, os cheques sem fundos tiveram, nos quatro primeiros meses de 2013, um valor médio de R$ 2.601,23, representando um aumento de 18,7% quando comparado com o mesmo período de 2012.